terça-feira, 24 de setembro de 2013

Por que eu choro?


Eu quero abrir o coração e chorar sem ter a minha espiritualidade questionada. Embora muitas vezes o choro possa significar tristeza; ele não é sinônimo de fraqueza, mas de humanidade. Choro porque sou humano. Choro porque sou "mundano" ― mundano, pois habito esse mundo.
Chorar é o extravasar da alma, pois esta não se contém diante das cascatas de sentimentos que desabrocham diante do sofrimento humano. Este invade o seu âmago. Ignorá-lo é anticristão, é antievangelho, é anti-humano! A miserabilidade humana deve refletir o quanto somos miseráveis. Uns ganham em cima dela. Outros perdem a sua vida por ela. Mas outros, simplesmente, são indiferentes a ela. Ser indiferente ao sofrimento do outro é estar em trevas. É estar em escuridão, é ter a alma pulsando amargura, ingratidão, desesperança e solidão. Isto é treva!
Quando penso o quanto sou impotente diante do sofrimento humano, angustio-me. Agonio-me pela sordidez dos políticos, pois através de um espírito público se poderia amenizar o sofrimento alheio, uma vez que eles, os políticos, têm o poder na mão. Aflijo-me pela ganância dos religiosos que usam e abusam da fé alheia para construírem para si um castelo de Narciso. Algumas vezes, odeio-me! A minha negligência apavora-me. Resigno-me rapidamente quando compreendo a minha impotência e limites. Isto reverbera em mim como uma bomba lançada em pleno meio-dia, no largo da Carioca, em plena movimentação, no centro da cidade do Rio de Janeiro. O efeito é devastador! Horrendo! Terrível! Desumano! Angustiante!
Mas quando olho para o encanto, a meiguice e a humanidade de Jesus de Nazaré, lembro-me que são "bem-aventurados os que choram". O meigo nazareno não titubeou; Ele chorou e, por um momento, sentiu a dor dilacerante de uma perda humana. Jesus de Nazaré sofre junto com a gente. Aqui, talvez, lembro-me que diante do sofrimento humano, não sou tão impotente assim. Ajuda Senhor a minha incapacidade de sensibilizar-me com o sofrimento do outro, como um dia Tu sensibilizou-se com o meu!


               


Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

A minha visita é apenas para lhe desejar um Feliz-Natal, e um Ano-Novo cheio de paz, alegria,
Amor e grandes vitórias.
Renovar mais um ano de amizade,se me der a gentileza de sua visita ficarei
também muito feliz.
Um abraço amigo de António Batalha.