sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Santa Maria/RS: “propósito divino”, “contingência” e corrupção


Em respeito à tragédia que sucumbiu as vidas de 235 pessoas, na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, não fiz nenhuma postagem durante esses dias. Tenho dificuldades de voltar a normalidade da vida após um momento de luto. Talvez seja por herança familiar. Lembro-me da minha avó desligando a televisão e chamando atenção dos netos, entre eles eu, que falavam alto no período de dias em que se deu um falecimento. É o respeito às pessoas enlutadas que me faz não ter o direito de me divertir, entreter ou comemorar alguma coisa — muito menos a de usar esta tragédia para engrandecer o meu nome como arauto da “reta doutrina” — no momento de dor. Sinto vergonha se isto acontece. É pessoal. Penso que não tenho direito nem de rir em respeito daqueles que choram. Repito, é pessoal. Mas cristão também.
Também acho que pessoa alguma tem o direito de, nesse momento, fazer “exegese” das causas teológicas da tragédia. Não é hora para isso. Há propósito divino nessa tragédia? Não sei. É contingência da vida? A tragédia poderia ser evitada? Certamente que sim. Aqui está o “x” da questão. Se aquela banda não fizesse pirotecnia, haveria a tragédia? Se a casa de shows cumprisse as normas de segurança, vidas poderiam ser salvas? Se as autoridades locais fiscalizassem honestamente a Kiss, esta incendiaria? Se não houvesse o emaranhado de corrupção burocrática, a fiscalização não seria eficaz e honesta?
Sim. Há um causador disso tudo. E não é o Deus de amor e justiça. É o Homem. Ele é quem escolhe a corrupção e a maldade. Ele é o facínora. O empresário com a sede de enriquecer a todo custo, colocando a segurança das pessoas em risco. A autoridade que, locupletada com ele, o empresário, não o investiga para não correr o risco de perder doações milionárias para campanhas políticas. A sociedade que se omite, assistindo tudo isso e fazendo de conta que vive no melhor país do mundo — futebol, carnaval, copa e olimpíadas. E Deus, onde Ele está nisso tudo? No mesmo lugar; agindo para que o empresário, a autoridade e a sociedade se arrependam dos seus Pecados e façam o que é correto em relação ao próximo (Lc 3.14). 
Amanhã, veremos os dois políticos mais corruptos do Brasil serem eleitos para os cargos mais importantes da república. E o que isso tem haver com Santa Maria, “contingência”, “propósito divino” e corrupção? Tudo. As maracutaias continuarão. As propinas serão a grande moeda de troca de favores para se abrir ou fechar casas de show. A população estará nas mãos desses políticos comprometidos com o sistema político atual. Este é a causa principal da corrupção brasileira. Enquanto isso a blogosfera evangélica “teologa entre si” e “o pai do jovem lunático fica atordoado vendo o seu filho sofrer, mas ninguém para curá-lo” (Mc 9.14-18) — com a ressalva das devidas exceções.
Se você está indignado, como eu, acesse o link abaixo, enviado pelo meu amigo e irmão Marcos Rodrigues e faça alguma coisa para registrar a sua indignação. Não podemos perder essa capacidade de indignar-se.

https://www.facebook.com/antonio.c.costa1/posts/459878610733057

Não. Essa tragédia não precisava acontecer pela simples irresponsabilidade das pessoas e entidades envolvidas.

Nele, que pode usar esta tragédia para nos despertar da letargia.

Paz e Bem!

M.O.O.
Rio de Janeiro, RJ.


2 comentários:

Anônimo disse...

Infelizmente vivemos em um País de impunidade. Todos sabemos que não há fiscalização, vidas foram ceifadas de forma bruta. A corrupção virou sobrenome do nosso País. Rogo a Deus que console os amigos e familiares. São dias de tristeza e de dor para toda a nação. Nós cristão devemos acholher as famílias enlutadas não fazer piadinhas e pregações nada cristãs.
Parabéns pelo excelente texto Marcelo.
Luciana Gaby

Marcelo de Oliveira e Oliveira disse...

Olá, Luciana.

Penso que a melhor maneira de manifestarmos o amor de Deus é chorando com quem chora, procurando ajudar de alguma forma. Começar pela oração de consolação é um bom começo.

Um abraço,

M.O.O.
Rio de Janeiro, RJ.